Blog do Osmar Pires

Espaço de discussão sobre questões do (ou da falta do) desenvolvimento sustentável da sociedade brasileira e goiana, em particular. O foco é para abordagens embasadas no "triple bottom line" (economia, sociologia e ecologia), de maneira que se busque a multilateralidade dos aspectos envolvidos.

My Photo
Name:
Location: Goiânia, Goiás, Brazil

É doutor em Ciências Ambientais, mestre em Ecologia, bacharel em Direito, Biologia e Agronomia. É escritor, membro titular da cadeira 29 (patrono: Attílio Corrêa Lima)da Academia Goianiense de Letras (AGnL). É autor dos livros: A verdadeira história do Vaca Brava e outras não menos verídicas.Goiânia: Kelps/UCG,2008. 524 p.; Arborização Urbana & Qualidade de Vida. Goiânia: Kelps/UCG, 2007.312 p.; Perícia Ambiental e Assistência Técnica. 2. ed. Goiânia: Kelps/PUC-GO, 2010. 440 p.; Introdução aos Sistemas de Gestão Ambiental: teoria e prática. Goiânia: Kelps/UCG, 2005. 244 p.; Conversão de Multas Ambientais. Goiânia: Kelps, 2005, 150 p.; e, Uma cidade ecologicamente correta. goiânia: AB, 1996. 224 p. É coautor da obra: TOCHETTO, D. (Org.). Perícia Ambiental Criminal. 3. ed. Campinas, SP: Millennium, 2014. 520 p. Foi Secretário do Meio Ambiente de Goiânia (1993-96); Perito Ambiental do Ministério Público/GO (97-03); e, Presidente da Agência Goiana do Meio Ambiente (2003-06). Recebeu da Academia Goiana de Letras o troféu Goyazes Nelly A.de Almeida no gênero Ensaio em 2007 e da União Brasileira de Escritores/GO o troféu Tiokô de Ecologia.

Wednesday, December 21, 2011

O QUE É A DESONESTIDADE (II)*

Osmar Pires Martins Júnior**


E o povo já pergunta - com maldade - 
onde está a honestidade?
(Noel Rosa)


Este artigo insiste no questionamento feito por Noel Rosa na letra do samba “Onde Está a honestidade?”. A questão aflige os brasileiros desde meados do século passado até os dias atuais. O conteúdo das ações de agentes políticos encarregados da probidade na coisa pública precisa ser analisado com maior profundidade para se tentar encontrar uma resposta. Neste sentido, dá-se continuidade à análise da ação civil pública de improbidade administrativa protocolada sob o número 200592428540 na 2ª Vara da Fazenda Pública Estadual da Comarca de Goiânia. Na ação, o nobre Julgador da 2ª Turma da 1ª Câmara Cível TJ-GO, responsável por decisão sobre improbidade e desonestidade, embora tenha laborado intensamente, não deu resposta contributiva à pergunta do saudoso poeta e lançou dúvidas que, do ponto de vista do direito, reclamam reexame sob vários aspectos, visando obter-lhe esclarecimento e, mais ainda, a invalidação por vícios ou erros de fundamento e de fato, implicando na reforma da solução dada ao litígio.
REFORMA DO DECISUM
O r. Acórdão, no voto prevalecente do Relator divergente, se sujeita a interposição de embargos infringentes visando modificação ou reforma na solução dada pela maioria apertada do Julgador à acusação de improbidade sobre ato que nada tem de desonesto.
Por Inexistência de Dolo e de Dano
O r. Acórdão contém  o dispositivo “[...] presença de dolo no dano ao patrimônio público e patrimônio econômico. configuração do ato de improbidade administrativa. [...]”  (fls. 1 e 2)
Mas, no próprio dispositivo encontra-se posicionamento divergente sobre o dolo, verbis:
“[...] VII – Ainda que não se verifique efetivo dano ao patrimônio público, em sentido estrito, compreendido como patrimônio econômico, o dano ao patrimônio público em sentido amplo autoriza a aplicação das sanções, mormente no caso do art. 11, consoante disposição do art. 21, inciso I, da Lei de Improbidade Administrativa. [...]” (fls. 3 e 4 do r. Acórdão)
Ao condenar os acusados com base na presença de dano ao erário, em sentido amplo, estabelece-se conflito com a norma, a jurisprudência e a doutrina amplamente dominantes que só admitem aplicação das penas de improbidade administrativa em caso de ato ímprobo, caracterizado como aquele que subjetivamente produz resultado reprovável, isto é, é desonesto na administração pública o autor de ato ilícito praticado intencionalmente para enriquecimento próprio ou de terceiro, que resulte em prejuízo aos cofres públicos.
Nesse sentido, o voto prevalecente do r. Acórdão reproduz as contradições da Sentença monocrática, pontuadas a seguir.
- Na p. 21 do julgado de primeira instância os réus são ímprobos:
“[...] No presente caso, entendo que a conduta dos réus causou prejuízo ao patrimônio público, em razão da ilegal destinação de receita pública, tendo em vista que não foi observado o procedimento correto para a contratação de empresa de auditoria [...]”.
- Logo em seguida, à p. 24 da decisão singular os acusados não são ímprobos:
[...] o autor não demonstrou a ocorrência de que o preço avençado pelas partes [Omissis] foi exorbitante [...]. O autor apenas afirmou que houve lesão ao erário em decorrência da contratação, mas não provou o efetivo dano patrimonial ocorrido, não demonstrando que os honorários fixados sejam exagerados ou estejam acima do preço de mercado. Não bastasse isso, os serviços foram efetivamente prestados pela ré Maria Aparecida [...].
- E, mais à frente, à p. 25, o julgador monocrático, em face dos antecedentes, atesta que os acusados sempre foram honestos, para concluir que inexistiu dano ao erário, verbis:
Desta forma, não há que se falar em aplicação da penalidade de ressarcimento integral do dano, uma vez que não há provas suficientes da ocorrência de dano material [ao patrimônio público].
Por não militar em desfavor dos réus nenhum antecedente de conduta ímproba, bem como não ter havido efetivo dano patrimonial à Administração, deixo de aplicar as penalidades de suspensão dos direitos políticos e de perda da função pública [...]

Assim, o próprio julgador da primeira instância reconhece a inexistência de dolo e de dano ao erário. E este entendimento merece prosperar, pois está de acordo com as provas carreadas aos autos. Veja-se, por exemplo, o OF. 965/04, de 07/12/04, da lavra do então presidente da Autarquia contratante, ora primeiro réu, na composição do custo do Termo de Referência, aprovado pela PGE, SEPLAN e GCI, constante do procedimento de inexigibilidade juntado as autos, verbis:

[...] Vimos prestar esclarecimentos, em resposta ao despacho nº 028/04, expedido pelo Grupo de Trabalho de Ação Permanente, da Gerência de Ação Permanente da SEPLAN, referentes ao processo nº 5601.15750/2004-5 nos seguintes quesitos:
[...]
3 – Composição do valor indicado nos autos
O valor indicado nos autos foi determinado levando-se em consideração o número de horas previstas para cada atividade a ser desenvolvida, da seguinte forma:
 - análise dos aspectos formais dos processos (89).......
356h
- análise dos aspectos jurídicos dos TACs (74)............
222h
- respostas aos quesitos do MP...................................
150h
- elaboração de proposta de TAC...............................
20h
- elaboração de relatório conclusivo...........................
100h
- preparação e apresentação do material....................
50h
- apresentação pública do trabalho.............................
22h
- elaboração de proposta de Portaria de Normatização...........................................................
70h
- acompanhamento de rotina de elaboração de TAC..
50h
  TOTAL..................................................................
1.040h

Foi considerado o valor de R$ 50,00 (cinquenta reais) por hora trabalhada, totalizando
R$ 52.000,00 (cinquenta e dois mil reais) [...]. (fls. 22-24 do procedimento de
inexigibilidade acostado aos autos)
As provas, devidamente produzidas nos autos e não impugnadas pela parte adversa, comprovam: o serviço de auditoria, efetivamente prestado ao órgão público contratante, foi pago pelo preço correspondente à metade da tabela de honorários da OAB-GO, no estrito valor autorizado pelo titular da SEPLAN no Parecer nº 270/04 constante do regular procedimento de inexigibilidade.
Portanto, impossível apenar os acusados por dano ao erário, em face das provas e das normas pertinentes da Lei de Licitações e Contratos, verbis:
“[...] Art. 25 - ...
§ 2º Na hipótese deste artigo e em qualquer dos casos de superfaturamento, respondem solidariamente pelo dano causado à Fazenda Pública [...] o prestador de serviços e o agente público responsável [...]”.
Na verdade, a execução do contrato subjudice proporcionou ganho à administração pública. A injusta decisão causa insegurança jurídica. O r. Acórdão não pode prosperar, sob pena de se lançar o jurisdicionado ao desamparo. As penas da improbidade são aplicadas, quando cabíveis, ao agente público honesto ou ao agente público desonesto?
Por se Tratar de Ato Vinculado, Convalidado e Insuscetível à Nulidade
Como exposto, os Julgadores de 1º e de graus condenaram os acusados às penas de improbidade administrativa com base na existência de dolo e de dano ao erário, em sentido amplo, por supostamente dispensar ilegalmente a licitação na contratação de serviço de auditoria. Os nobres Julgadores não atentaram que o objeto do contrato questionado é caracterizado pela Lei de Licitações e Contratos como serviços técnicos profissionais especializados, disciplinados pelo art. 13, II e III, como pareceres e auditorias tributárias, para a contratação dos quais, conforme mandamento do art. 25, II, é inexigível a licitação pela administração pública.
De acordo com a norma, o instituto da contratação direta por inexigibilidade possui natureza jurídica vinculada de procedimento administrativo licitatório, constituído por uma sequência ordenada de atos administrativos. Na mesma esteira entende a doutrina de Irene Patrícia Nohara, Doutora em Direito do Estado pela Universidade de São Paulo – USP, In: Direito Administrativo. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2011, verbis:
“[...] Nos casos de inexigibilidade, a decisão de não realizar o certame é vinculada, à medida que, configurada alguma das hipóteses legais, à Administração não resta alternativa além da contratação direta [...]”. (NOHARA, Op. Cit., p. 347)
O procedimento de inexigibilidade, devidamente juntado aos autos, comprova que a dispensa de licitação foi motivada e justificada por uma sequência de atos administrativos praticados por diversos agentes públicos competentes. No caso de qualquer vício, cf. mandamento do art. 49 da Lei de Licitações e Contratos, a autoridade competente deverá revogá-lo por razões de interesse público ou anulá-lo por ilegalidade mediante parecer escrito e fundamentado.
A falha formal constatada no procedimento de inexigibilidade foi identificada pelo então presidente da Autarquia, ora primeiro réu, que solicitou, via OF. Nº 049/05, parecer do titular do órgão de controle dos atos administrativos da administração pública estadual. No Despacho nº 091/05, a autoridade superior competente convalidou o procedimento mediante publicação da declaração de inexigibilidade na imprensa oficial.
Resta demonstrado, ao final, que o caso submetido à apreciação judicial, apesar das decisões condenatórias de 1º e 2º graus, não possui qualquer mácula ou vício de nulidade. O contrato foi firmado de acordo com os ditames da norma, da jurisprudência e da doutrina. Perfeitamente cabível ao caso um dos princípios específicos da licitação, segundo o qual não há nulidade sem prejuízo. É o que ensina a melhor doutrina, in litteris:
[...] Princípio do formalismo procedimental: as regras aplicáveis ao procedimento licitatório são definidas diretamente pelo legislador, não podendo o administrador público descumpri-las ou alterá-las livremente. Importante enfatizar, no entanto, que o descumprimento de uma formalidade só causará nulidade se houver comprovação de prejuízo. Desse modo, segundo a jurisprudência, o postulado pas de nullité sans grief (não há nulidade sem prejuízo) é aplicável ao procedimento licitatório [...] (NOHARA, Op. Cit., p. 317)
Por Ofender Coisa Julgada
A ação de improbidade administrativa em trâmite na 2ª Vara da Fazenda Pública Estadual da Comarca de Goiânia, decidido na 1ª Turma de Julgamento da 2ª Câmara Cível do TJ-GO, tem o mesmo objeto e os mesmos réus da ação penal que transitou em julgado na 12ª Vara Criminal da mesma comarca deste tribunal que, em sede de Apelação Criminal nº 34.295-6/213, à unanimidade dos votos dos Julgadores, inocentou os mesmos acusados da mesma acusação, verbis:
“[...] o MP não apontou, sequer por insinuação, a ocorrência de propósito reprovável com dano ao erário ou proveito próprio, por conseguinte, absolvo o acusado das imputações contidas na denúncia [...]”.
O STJ, no recurso especial, confirmou a decisão do tribunal a quo, em acórdão absolutório definitivo:
“[...] Lei  nº  8.666/93.  Art.  89.  Licitação.  Dispensa.  Dolo. Ausência. 1. O  crime  tipificado  no art. 89 da Lei nº 8.666/93  (dispensar licitação  fora  das  hipóteses  previstas  em  lei)    só  admite  a modalidade dolosa. 2. A Corte Estadual, ao afastar o dolo da conduta do agente, concluiu pela atipicidade do fato. 3.  Chegar  a  conclusão  diversa  quanto  à  ocorrência  do  dolo, exigiria o reexame de todo o acervo probatório, o que é vedado em sede de recurso especial (Súmula 7/STJ). 4. Recurso especial não conhecido [...]” (REsp 1194894. R. p/ Acórdão: Min. Jorge Mussi, data do julgamento: 16/12/2010, DJe: 01/02/2011).
Por sua vez, a doutrina de Garcia, E. e Alves, R. P.  In: Improbidade Administrativa. 4. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008, p. 478, entende que:
“[...] Na avaliação das questões penais já julgadas, cujos mesmíssimos fatos constituem o objeto de ação civil pública, julgada a pretensão deduzida na ação penal antes das demais, fará ela coisa julgada sempre que se reconhecer a presunção de circunstância que exclua o crime ou isente o réu da pena (art. 386, V, CPP) [...]”.


Por Estabelecer Claro Dissídio Jurisprudencial
A jurisprudência amplamente predominante nas Cortes Máximas e nos Tribunais não ampara os argumentos persecutórios em curso. Assiste-se dissídio pretoriano com paradigma oriundo do mesmo julgador, do mesmo tribunal, de outros tribunais e da Corte Máxima. A jurisprudência é pacífica a respeito dos elementos apontados pela norma para a caracterização do ato de improbidade administrativa. A título de exemplo, citam-se os acórdãos paradigmas:
·      Apelação Cível nº 97.451-5/188 e Apelação Cível nº 110.626-7/188, nas quais o TJ-GO decidiu que a imputação das penas previstas na lei de improbidade administrativa não se caracteriza por mera irregularidade, mas que o ato questionado resulte em efetivo e comprovado prejuízo ao erário e não, como no r. Acórdão, dano em sentido amplo;
·      Apelação Cível nº 97.186-1/188 e a Apelação Cível nº 119.023-0/188, nas quais o TJ-GO decidiu que o ato de improbidade administrativa depende da comprovação de dolo ou má-fé por parte do agente público;
·      Recurso Especial nº 1.164.947/DF, no qual o SSTJ decidiu que o elemento subjetivo é essencial à caracterização do ato de improbidade administrativa.
COTEJO ANALÍTICO COM PARADIGMA DO MESM JULGADOR A QUO
O mesmo Julgador do r. Acórdão, em análise, foi relator da Apelação Cível nº 97.186-1/188, na qual o TJ-GO decidiu que a imputação das penas de improbidade administrativa depende de dolo e prejuízo ao erário, cuja ementa se transcreve:
“[...] Ementa: Apelação Cível. Ação Civil Pública. Improbidade Administrativa. Rejeição da ação. Inexistência de ato ímprobo. Não demonstração de prejuízo no erário. I – não merece censura a sentença que rejeita ação civil pública nos termos do art. 17, § 8º da Lei nº 8.429/92, quando o ato acoimado de ímprobo é, na verdade, fruto de inabilidade, de gestão imperfeita, ausente o elemento ‘desonestidade', ou de improbidade propriamente dita. II – os atos de improbidade só são punidos a título de dolo, indagando-se da boa ou má-fé do agente, nas hipóteses dos arts. 9º e 11 da Lei nº 8.429/92. Já os atos de improbidade do art. 10, como está no próprio caput, são também punidos a título de culpa, mas deve estar presente na configuração do tipo de prova inequívoca do prejuízo ao erário. Precedentes do STJ. Decisão: Acordam os integrantes da 3ª Turma julgadora da 2ª Câmara Cível do egrégio TJ-GO, por unanimidade de votos, em conhecer do recurso e negar-lhe provimento, nos termos do voto da relatora [...]” (Ap. Civ. 97.186-1/188. 2ª C.C. TJ-GO. Relatora em subst.: Amélia Martins de Araújo. Data do Acórdão: 12/02/2008. Publicada em: DJ nº 51 de 17/03/2008)
No relato do caso paradigma, supra colacionado, o Julgador relatou que, nas razões recursais,

“[...] o MP-GO informou que a arrecadação dos parques municipais Antonio Marmo Canedo e Parque JK [de Anápolis] não era recolhida aos cofres públicos, ou seja, depositada em conta específica da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Goiás. Pelo contrário, todas as receitas eram empregadas na manutenção dos parques, sendo que a prestação de contas era feita de forma simplória, em um simples caderno de anotações, portanto, desprovida de qualquer valor legal [...]. Por conseguinte, arremata que, ao deixar de repassar as receitas [...] à unidade orçamentária competente, bem assim ao ordenar e pagar despesas (compras) na manutenção do referido parque, o requerido descumpriu cabalmente dispositivos legais (art. 56 da Lei 4.320/64 e art. 14 da Lei 8.666/93), incorrendo por sua vez nos preceitos contidos no art. 10, inc. XI e art. 11, inc. I da Lei de Improbidade Administrativa [...]”

A solução dada ao litígio do caso paradigma, pelo nobre Julgador, diverge frontalmente ao dado no presente caso. Veja a conclusão do caso paradigma:
“[...] Imprescindível, pois, para a configuração do ato de improbidade administrativa, a demonstração do evidente propósito do agente público de auferir vantagem, causando dano ao erário, o que, como já dito, não se coaduna com a hipótese dos autos, em que não existe ato de improbidade, mas mera irregularidade formal no procedimento administrativo fustigado. [...]”
Pelo exposto, o meritíssimo Julgador, no voto-vista do julgado vencedor na 1ª Câmara Cível, estabelece claro dissídio não só com a jurisprudência, mas com outro julgado de sua própria relatoria na 2ª Câmara Cível do TJ-GO. O ilustre julgador precisa esclarecer, afinal, qual o critério legal que adotada para caracterizar o ato de improbidade administrativa e julgar o réu submetido ao seu veredito.
Segundo a Norma, o Que é Improbidade?
A Lei nº 8.429/92 de Improbidade Administrativa – LIA disciplina três espécies de atos ímprobos: i) que causam enriquecimento ilícito; ii) que causam lesão ao erário; e, iii) que atentam contra os princípios da administração pública.
O objetivo da LIA é punir o administrador desonesto, corrupto, que atua com má-fé, de forma a causar lesão ao erário, violando os princípios da administração pública, de maneira a obter resultado vantajoso para si ou para outrem, sempre à custa do Poder Público, do Erário, do dinheiro do contribuinte.
Segundo a Doutrina, o Que é Improbidade?
A doutrina não ampara os argumentos persecutores em curso. Da obra “Licitação – Inexigibilidade – Serviço Singular”, do respeitado jurisconsulto Bandeira de Mello, conclui-se que o trabalho intelectual, dentre eles, do advogado, não pode ser contratado por licitação.
O renomado autor Miguel Reale, na obra “Revogação e Anulamento do Ato Administrativo”, manifesta pelo “não cabimento da imputação de improbidade aos atos que causam lesão ao erário, quando eles são convalidados e invalidados, ou, sendo atos ilegais por vício de formalidade, seus efeitos jurídicos são mantidos pelo poder público”. Ora, o que se dirá então de ato administrativo que não causa lesão ao erário e cuja formalidade e efeitos jurídicos são devidamente instituídos pelo poder público?
Di Pietro, na consagrada obra “Direito Administrativo”, alerta que “a imputação das graves penas de improbidade exige bom senso, de forma que deve ser analisada a ocorrência do dolo ou má-fé na conduta do agente público, além da ilegalidade e do dano ao erário”.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O caso em análise exemplifica uma banalização da Lei de Improbidade Administrativa, que decorre da ação desmedida do agente político incumbido de promover o Estado de Direito e a moralidade na coisa pública. Infelizmente, a banalização desmedida do combate à desonestidade vem sendo encampada pelo Julgador. A judicialização de fatos embasados em atos administrativos probos, realizados por agentes competentes, assume contornos que atentam aos objetivos da Lei, desmoralizando-a e mantendo a inquietação da sociedade à pergunta de Noel Rosa: onde está a honestidade e o que é a desonestidade?
O judiciário foi acionado para tratar de alegada irregularidade que nada tem de desonestidade ou improbidade. A divergência é fruto de um ponto de vista divergente do agente político tutor da lei sobre ato administrativo da esfera de competência da autoridade que desenvolvia sua função no poder executivo. O tutor da lei buscou a responsabilidade criminal e civil da pessoa física da autoridade do executivo, tipificando sua conduta no art. 89 da LLC. No caso em apreço, a Justiça, em instância máxima e irrecorrível, julgou a responsabilidade criminal, com absolvição por atipicidade do fato (art. 386 do Código Processo Penal).
O art. 935 do Código Civil reza que “a responsabilidade civil é independente da responsabilidade criminal, mas quando estas questões se acharem decididas no criminal, não se pode questionar mais sobre a existência e a autoria do fato”.
O acusador buscou a responsabilização civil e penal de autoridades do poder executivo, legalmente capacitados a praticar ato administrativo de contratação de serviço técnico especializado. Tal ato foi objeto da mesma demanda em esferas distintas. Recorre-se ao regramento da Lei nº 8.112, de 11/12/1990, sobre as responsabilidades dos Servidores Públicos Civis da União, como paradigma à interpretação do caso concreto, verbis:
Art. 121. O servidor responde civil, penal e administrativamente pelo exercício irregular de suas atribuições.
Art. 122. A responsabilidade civil decorre de ato omissivo ou comissivo, doloso ou culposo, que resulte em prejuízo ao erário ou a terceiros. [...]
Art. 123. A responsabilidade penal abrange os crimes e contravenções imputadas ao servidor, nessa qualidade.
Art. 124. A responsabilidade civil-administrativa resulta de ato omissivo ou comissivo praticado no desempenho do cargo ou função.
Art. 125. As sanções civis, penais e administrativas poderão cumular-se, sendo independentes entre si.
Art. 126. A responsabilidade administrativa do servidor será afastada no caso de absolvição criminal que negue a existência do fato ou sua autoria.
Na esfera penal a questão foi definitivamente resolvida com absolvição dos acusados em face do fato atípico, ausência de dolo e de dano ao erário. Diante do regramento supra mencionado, impossível cobrar a responsabilidade civil de servidor pela prática de ato não danoso aos cofres públicos.
Resta indagar se na esfera da Lei de Improbidade Administrativa, sendo o fato não ilícito, seria possível aplicar as penas de improbidade contra o agente que o praticou. Evidente que não. Trata-se de coisa julgada, conforme art. 5º item XXXVI da Constituição Federal, art. 6º da Lei de Introdução ao Código Civil e art. 467 do Código de Processo Civil.
O Poder Judiciário só pode interferir sobre atos ilegais da administração pública. É salutar o controle judicial dos atos da administração, no estado de direito, visando o interesse comum e o combate à corrupção. Tal desiderato requer reflexão, em face das questões expostas, sobre as aplicações dos princípios da legalidade em respeito à tripartição dos poderes, da dignidade da pessoa humana e dos direitos e garantias fundamentais.

___________
*Publicado em: Diário da Manhã. O que é desonestidade (II). Goiânia, 21 nov. 2011. Opinião Pública, p. 2 e 3.
**Osmar Pires Martins Júnior, doutorando em Ciências Ambientais pela UFG, mestre em Ecologia, graduando em direito, é professor de Pós-Graduação em Perícia Ambiental na PUC-GO, escritor e membro-fundador da cadeira 29 (patrono Attílio C. Lima) da Academia Goianiense de Letras 

30 Comments:

Anonymous Anonymous said...

Excellent article! We will be linkіng tο this great аrticle on our site.
Keep uр the good writing.

Аlso visit my site: Http://www.sfgate.com/business/prweb/article/V2-Cigs-Review-Authentic-Smoking-Experience-or-4075176.php
my page - amacastreet.altervista.org

2:51 PM  
Anonymous Anonymous said...

It's awesome designed for me to have a website, which is useful designed for my know-how. thanks admin

my web page; Silk'N sensеpil

2:54 PM  
Anonymous Anonymous said...

Vегy gooԁ blοg post.

I absolutely love this ѕite. Continue thе gooԁ woгk!


Mу blog pоst - v2 cigs reviews

3:00 PM  
Anonymous Anonymous said...

hello thеre and thanκ you for youг info – I have certainlу pіcked uρ sοmething neω from right here.
ӏ did however еxpeгtise seveгal teсhnіcal issueѕ usіng this sіte,
since I eхperienсed tο гeload the ωеb site many
times prеviοus to I could get it tο loaԁ pгoperly.
I had been wondering if youг hosting is OK? Not thаt I am
complaining, but ѕluggiѕh loading inѕtances
timeѕ will sometіmeѕ affect your placemеnt in
goοgle аnd cоuld dаmage уour hіgh quality scoгe if adνertising and marκeting with Adworԁs.
Well I am adding thiѕ RSS to mу e-mail аnd сould lοok out for muсh morе οf
your respectіve intгiguing contеnt. Mаκe surе you update thіs again veгy ѕoοn.


My wеb-ѕite :: More inspiring ideas

3:59 PM  
Anonymous Anonymous said...

Thanks for one's marvelous posting! I actually enjoyed reading it, you can be a great author.I will always bookmark your blog and will come back very soon. I want to encourage you to continue your great job, have a nice evening!

Here is my web-site: www.wankr.de
My web site > Essentialextracts.co

3:13 AM  
Anonymous Anonymous said...

Gгeat blog you've got here.. It's hard to find gooԁ quаlity writing like уours these days.
I really аppreсiаte people likе you!
Τаke care!!

Feel free to suгf to my weblog - Http://Www.Sfgate.Com
My website - Www.sfgate.com

1:36 AM  
Anonymous Anonymous said...

Greetings! This іs my first comment heгe so I just wanteԁ to give a quick shout out аnԁ tell you I gеnuinеly enjoy reаԁing through yοur blog pοsts.
Can yοu reсоmmеnd anу other blogs/wеbsitеs/forumѕ that dеal
with the same subjeсts? Thаnks for yοuг tіme!



My websitе; wirsindhier-sh.de

2:25 AM  
Anonymous Anonymous said...

Magnifісеnt beat ! І wish to apprentіcе at thе same time as you amenԁ yоur webѕіte, how could i subscribe
for a weblog ωеb site? Thе account helped me a apρгopriate deal.
I ωeгe tiny bit familiar of thіs
уоur brοаdcаst offered vibrant clear
idea

Also vіsit my webpage simulwiki.teconio.com

7:14 AM  
Anonymous Anonymous said...

Νо matter if sοme οnе searсhes fοr his vital thing,
so he/ѕhe wаnts to be available that in dеtail, so that thing is maintaineԁ οver here.



mу web-sitе :: www.mzajbook.com

1:49 PM  
Anonymous Anonymous said...

Hey there! Someοne in mу Mуspаce group shагed thiѕ ωеbsite ωith
us so Ι сamе tо take a look.
Ӏ'm definitely loving the information. I'm bookmаrκіng
and will be tωеetіng thіs tο my followeгѕ!
Εxсeptiоnal blog anԁ superb ԁesign.


Мy blog: prweb.com

12:28 PM  
Anonymous Anonymous said...

Hey thеrе! Ѕomeonе іn mу Mуspасe
group shагed this websitе with us so I came tο taκe
а loοk. Ι'm definitely loving the information. I'm booκmarκing and wіll be tωeeting thiѕ to my followers!
Εxсерtional blog and supeгb design.


Vіsіt my page ... prweb.com
My site > http://business5to5.co.uk/Silkn-Sensepil-Laser-Overview-Ahead-Of-You-Buy-Silkn-Examine-This.htm

12:28 PM  
Anonymous Anonymous said...

Нeya і'm for the primary time here. I came across this board and I to find It truly useful & it helped me out a lot. I hope to offer one thing back and help others like you helped me.

Also visit my blog post: silkn sensepil review
Also see my page: cybernet4u.com

8:54 AM  
Anonymous Anonymous said...

This piеce of ωriting will help the іnternet vieωers foг creating new web ѕitе oг еvеn
a blog from start to enԁ.

Feel frее to surf to mу wеb blog .
.. visit the following site

8:57 PM  
Anonymous Anonymous said...

Plеase let me know if you're looking for a article author for your weblog. You have some really good posts and I believe I would be a good asset. If you ever want to take some of the load off, I'd rеally
likе to write some content fοr youг blog in exchange for a lіnk bacκ to mіne.
Plеase sеnd me аn e-mail if inteгested.

Cheeгs!

Also ѵisit mу web pаge; http://www.Prweb.com/

5:00 AM  
Anonymous Anonymous said...

Hi therе, just bесame alert to your blοg
thrοugh Gοоglе, and found that it's truly informative. I'm
gоnna wаtch out for bruѕѕels. I'll be grateful if you continue this in future. A lot of people will be benefited from your writing. Cheers!

Review my web blog: V2 Cigs Review

4:45 PM  
Anonymous Anonymous said...

My famіly every time saу that I am wasting my time here аt web, but I knοw I am
getting famіliaгity eνery
dаy bу readіng thes pleasаnt content.


Also visit my pаge :: click through the up coming internet page

4:34 AM  
Anonymous Anonymous said...

Ρrеtty greаt post. I ϳust stumbleԁ upon your ωeblоg and wanted to mention that I
have really loved broωsing your blοg ρоsts.
Aftег all I will be subѕсribing on your rss feеԁ
and Ι'm hoping you write once more soon!

Feel free to visit my web page ... V2 Cigs Reviews

6:29 PM  
Anonymous Anonymous said...

With havin so much wrіtten content do you ever run intо any problems of plagοrіsm or copyright νiolation?
My blog haѕ a lot of сompletely unique contеnt I've either authored myself or outsourced but it seems a lot of it is popping it up all over the web without my agreement. Do you know any methods to help protect against content from being stolen? I'd certainly appreciate
it.

Also visit my page ... www.sfgate.com/business/prweb/article/V2-Cigs-Review-Authentic-Smoking-Experience-or-4075176.php

6:29 PM  
Anonymous Anonymous said...

Good day! I just ωant to offer уou a huge thumbs
up fоr your grеat info you have right here on thiѕ post.
I'll be coming back to your website for more soon.

Feel free to visit my web site - www.isnare.info

6:29 PM  
Anonymous Anonymous said...

I've some other questions that you may be capable of help with. initial i still need some environmentally friendly nicotine buggies left.(do not know if you know this kind of brand) had been wonder if you know what other batteries would work and just what the thread on these is? also do you know what thread victory e-cigarettes use? many thanks for any assistance on this as well as thanks again to your reviews.

Feel free to surf to my web-site: nlp-wiki.org

7:48 PM  
Anonymous Anonymous said...

Concept, would be cool to havе а сirсumstance thаt can fit thе whole e-cig, together whole ρeacefulneѕs, cаrt and
alѕo batterу, let me κnow when that happens, so i can
try it οut tο seе іf іt works pluѕ, i саn find іt muсh better
withоut loѕіng thе whole thing.
uѕing a case сοulԁ be cool,
sеcure, big enough tο diѕcover
it right after uѕе. pеaсеfulnesѕ
out fοr the ргesеnt time.


Fееl free tо ѵisit mу blog - green smoke promo code

7:49 PM  
Anonymous Anonymous said...

Heya i am for the primarу time heгe.
І came across this boaгd and I find It reallу helpful & it helpeԁ me
out muсh. I hope to givе sοmething back and help otheгs like you aideԁ me.



my blog poѕt - hair removal

10:58 PM  
Anonymous Anonymous said...

With havin ѕo much content аnd articlеs dо уοu eѵеr run into аny iѕsueѕ οf plagorism οr coругight infringеment?
My ѕite haѕ а lοt of completеlу uniquе contеnt I've either written myself or outsourced but it appears a lot of it is popping it up all over the internet without my authorization. Do you know any ways to help prevent content from being stolen? I'd
definіtely apprеciate it.

Look into my wеb раge - http://sherwood.iupdhc.org/

10:58 PM  
Anonymous Anonymous said...

Thіs websіte trulу has all thе іnformation I wаntеԁ concerning thiѕ subјect anԁ didn't know who to ask.

Visit my site: magnapowertrain.com

7:51 PM  
Anonymous Anonymous said...

thіѕ iѕ a great sіte lotгѕ of goоd info і сan't hold out to try many of these products

Here is my blog post - friendsflush.com

7:43 PM  
Anonymous Anonymous said...

і аm delіghted wth my еco-fгiendly smoke сigarettе.

i boοught the аctual startеd looking fоr mу son аnd hiѕ better hаlf аnd then cοvinced my peгsonal sister
to obtaіn herѕ. we аll love these

my web site: Green Smoke Best Price

7:43 PM  
Anonymous Anonymous said...

ӏ purchased the GгeenSmοκe core κіt,
aѕ my sіѕter would be a satіѕfіed сlіent.
I found the taste had been pretty gooԁ, aѕ wеll as the menthol
was еxtrеmely гealіstic.
I havе hаd issues with the batterу/cartrіdges gоing out quick, so I believed
I'd choose the so-called "Rolls Royce" of e-cigs, the White Fog up Cirrus 3, and should say that these people taste such as burning nothing! They don't finаl аny lοnger,
theу will taste like nuts usіng up on аn avаilablе flame, anԁ
they WΗISTLE whеn уou breathe in!
ӏ'm very disappointed that I spent 3 times the money around the White Impair, and I hope that I can come back my package. GreenSmoke is the strategy to use.

My website - green smoke reviews

7:43 PM  
Anonymous Anonymous said...

і cοuldn't agreee more along with your thoughts on smokeless cigarette cartridges. We have used different styles of e cig normally the cheapest i possibly could find however i thought getting flavored nicotine liquid inside your mouth was a normal part of employing these. We foudn the green smoek because of this web page and cannot belive teh diofference. The high high quality is obvious make up the this appear but its the amount of vapor that actually make you know how good they are. I feels like you are cigarette smoking a real e cigarette. i guess for this reason they think of it as the steam monster.

Feel free to visit my web blog ... green smoke e cig

12:43 AM  
Anonymous Anonymous said...

I am ѕuгe this article has touched аll the іnternet
usегs, its гeаlly really pleasаnt poѕt on buildіng uρ neω
website.

Feel fгee to surf to my blog poѕt: V2 cigs reviews

5:57 PM  
Anonymous Anonymous said...

down to just considerably less than a 90 degree angle in
between your shins and thighs. FlexBelt claimed they
have been cleared by the Food and drug administration.



Feel free to surf to my site ... votejb.Info

5:31 AM  

Post a Comment

<< Home