Blog do Osmar Pires

Espaço de discussão sobre questões do (ou da falta do) desenvolvimento sustentável da sociedade brasileira e goiana, em particular. O foco é para abordagens embasadas no "triple bottom line" (economia, sociologia e ecologia), de maneira que se busque a multilateralidade dos aspectos envolvidos.

My Photo
Name:
Location: Goiânia, Goiás, Brazil

É doutor em Ciências Ambientais, mestre em Ecologia, bacharel em Direito, Biologia e Agronomia. É escritor, membro titular da cadeira 29 (patrono: Attílio Corrêa Lima)da Academia Goianiense de Letras (AGnL). É autor dos livros: A verdadeira história do Vaca Brava e outras não menos verídicas.Goiânia: Kelps/UCG,2008. 524 p.; Arborização Urbana & Qualidade de Vida. Goiânia: Kelps/UCG, 2007.312 p.; Perícia Ambiental e Assistência Técnica. 2. ed. Goiânia: Kelps/PUC-GO, 2010. 440 p.; Introdução aos Sistemas de Gestão Ambiental: teoria e prática. Goiânia: Kelps/UCG, 2005. 244 p.; Conversão de Multas Ambientais. Goiânia: Kelps, 2005, 150 p.; e, Uma cidade ecologicamente correta. goiânia: AB, 1996. 224 p. É coautor da obra: TOCHETTO, D. (Org.). Perícia Ambiental Criminal. 3. ed. Campinas, SP: Millennium, 2014. 520 p. Foi Secretário do Meio Ambiente de Goiânia (1993-96); Perito Ambiental do Ministério Público/GO (97-03); e, Presidente da Agência Goiana do Meio Ambiente (2003-06). Recebeu da Academia Goiana de Letras o troféu Goyazes Nelly A.de Almeida no gênero Ensaio em 2007 e da União Brasileira de Escritores/GO o troféu Tiokô de Ecologia.

Sunday, February 12, 2017

REFLEXÃO: FALTOU PRÁXIS POLÍTICA?

Osmar Pires Martins Júnior
Bacharel em Direito e Doutor em C. Ambientais

Em entrevista publicada pela Revista Brasileiros, concedida à repórter Luíza Villaméa, o jurista Claudio Lembo responde a perguntas objetivas e oferece respostas claras sobre o Brasil atual. Reproduzo abaixo algumas, no sentido de fomentar a reflexão sobre o Brasil atual.

O Supremo ganhou protagonismo com a judicialização da política?
Exato, o que é um grande equívoco, um grande problema. O Supremo está saindo dos seus parâmetros, dos seus limites e invadindo outras áreas. Tem violado a Constituição. [Há] questões polêmicas que afetam a vida [e que se deve] perguntar para a sociedade.

Por meio de plebiscito?
Óbvio. A sociedade responde. Ela sabe o que quer. Ela não é interditada. O Supremo pensa que nós somos todos interditados. [...]

E a delação premiada como está sendo usada?
Pessoas presas estão sofrendo uma tortura psicológica. [...]

Sem a delação as construtoras não abririam o jogo?
Mas não precisaria, porque todo mundo sabe que as construtoras são responsáveis pela corrupção no Brasil. Só os ingênuos não sabem. Ou os imbecis. [...]

O caminho que a Lava Jato vem escolhendo parece sem volta?
Não percebem o risco que estão passando, porque no fundo todos estão querendo a violação dos direitos humanos e esquecem que também são titulares desses mesmos direitos humanos, que poderão ser violados. [...]

O senhor acredita que a mídia tem culpa no cartório?
Uma culpa muito grande. A grande mídia deveria esclarecer a situação. Ela tem interesses, não é isenta. Ninguém que tem um instrumento de comunicação é absolutamente isento, [...]. A queda da Dilma foi um trabalho midiático. Não tinha base jurídica.

Agora começaram os pedidos de impeachment em relação ao Temer?
Ele corre o risco, porque o clima é de exigência de uma justiça quase primitiva. E isso pode fazer com que ele e o grupo dele caiam em um novo impeachment, porque a partir de 1º de janeiro a eleição vai ser direta pelo Congresso. Estão preparando candidatos.

O PSDB inclusive?
É só ver o que faz o presidente Fernando Henrique, a todo momento dando entrevista de candidato.[...]

Essa PEC do teto dos gastos pode fragilizar ainda mais o governo Temer?
Acredito que sim. Ela pode ser útil a curto prazo, mas a médio prazo não prevalece. O povo se revolta. [...]

O senhor citou a Itália ao falar sobre a PEC. E em relação à Operação Lava Jato?
Também na Itália foi um fracasso. Nasceu Berlusconi [...]. Na Itália, ao final da Operação Mãos Limpas, o sistema político estava desmantelado. Destruiu tudo. E agora ainda tem o Beppe Grillo (líder do Movimento 5 Estrelas), que é um demagogo, um populista.

Qual a saída?
A saída é ouvir o povo.[...]

Como o senhor viu o impeachment de Dilma Rousseff?
Uma tragédia para a democracia brasileira. E existe outro impeachment no horizonte.Vai virar uma moda latino-americana. A nova forma de dar golpe [...]

Qual a perspectiva do senhor para o País em 2017?
Depressão. [...] O Brasil vai sofrer por uns dez, 20 anos. Disso não tenho dúvida nenhuma. [...]

Uma parte da esquerda critica o ex-presidente Lula. Ele deveria ter promovido reformas profundas quando ele tinha grande aprovação popular?
Claro que deveria ter feito. O Lula se embeveceu com a burguesia. Ele se encantou. Ele era amigo de todos os empreiteiros. [...] Lula ficou íntimo, coitado. Foi envolvido.

O senhor acredita então que ele deveria ter feito as reformas da mídia e a política?
Lógico. Ele aceitou tudo o que a burguesia queria. Deu nisso que está aí. Não é nem esquerda, nem direita nem centro. Não é nada. Fui simpático ao Lula e à Dilma, mas ele errou. Lula aceitou todos os salamaleques da burguesia. E, como ele não é burguês, eles usam e não aceitam. Eles usam e atiram depois no lixo. É doloroso, mas esta é a verdade. Todo mundo levou vantagens. Só ele que não.

Leia a íntegra da entrevista em: http://brasileiros.com.br/2016/12/brasilia-virou-uma-cloaca/#.WKBeQp7vep0.twitter

(A verdade é dura. A ciência política transformadora exige muita práxis - estudo e prática).

0 Comments:

Post a Comment

<< Home