Blog do Osmar Pires

Espaço de discussão sobre questões do (ou da falta do) desenvolvimento sustentável da sociedade brasileira e goiana, em particular. O foco é para abordagens embasadas no "triple bottom line" (economia, sociologia e ecologia), de maneira que se busque a multilateralidade dos aspectos envolvidos.

My Photo
Name:
Location: Goiânia, Goiás, Brazil

É doutor em Ciências Ambientais, mestre em Ecologia, bacharel em Direito, Biologia e Agronomia. É escritor, membro titular da cadeira 29 (patrono: Attílio Corrêa Lima)da Academia Goianiense de Letras (AGnL). É autor dos livros: A verdadeira história do Vaca Brava e outras não menos verídicas.Goiânia: Kelps/UCG,2008. 524 p.; Arborização Urbana & Qualidade de Vida. Goiânia: Kelps/UCG, 2007.312 p.; Perícia Ambiental e Assistência Técnica. 2. ed. Goiânia: Kelps/PUC-GO, 2010. 440 p.; Introdução aos Sistemas de Gestão Ambiental: teoria e prática. Goiânia: Kelps/UCG, 2005. 244 p.; Conversão de Multas Ambientais. Goiânia: Kelps, 2005, 150 p.; e, Uma cidade ecologicamente correta. goiânia: AB, 1996. 224 p. É coautor da obra: TOCHETTO, D. (Org.). Perícia Ambiental Criminal. 3. ed. Campinas, SP: Millennium, 2014. 520 p. Foi Secretário do Meio Ambiente de Goiânia (1993-96); Perito Ambiental do Ministério Público/GO (97-03); e, Presidente da Agência Goiana do Meio Ambiente (2003-06). Recebeu da Academia Goiana de Letras o troféu Goyazes Nelly A.de Almeida no gênero Ensaio em 2007 e da União Brasileira de Escritores/GO o troféu Tiokô de Ecologia.

Monday, September 26, 2016

OPERAÇÃO "BOCA-DE-URNA"

Osmar Pires Martins Júnior
Bacharel em Direito, em Biologia e Agronomia
Doutor em C. Ambientais e Mestre em Ecologia pela UFG.

O golpe parlamentar-midiático-judiciário e sua cria - Ditadura MP ou Mídia-Parquet - deram sequência hoje, 26/09/2016, à farsa do "combate seletivo à corrupção no Brasil".
Depois de golpear Dilma, está deflagrada a "operação boca-de-urna", às vésperas das eleições municipais. 
A investigação seletiva se volta para ações ainda mais seletivas visando consumar o golpe: a denúncia do MPF contra Lula, a prisão e a soltura do ex-ministro Mantega e, por hora, a prisão do ex-ministro Palocci.
A ordem é destruir a esquerda, assim como toda e qualquer oposição ao golpista Temer. O advogado do ex-ministro Palocci, respeitado jurista Batochio, afirmou com muita propriedade à imprensa:
O meu cliente não conhece a acusação porque ela é, até o presente momento, absolutamente secreta. No melhor estilo da ditadura militar. Você não sabe de nada, não sabe do que está sendo investigado. Um belo dia a Polícia Federal bate a sua porta e leva o cidadão. Estamos voltando nos tempos do autoritarismo, da arbitrariedade. Qual é a necessidade de prender uma pessoa com domicílio certo, que é médico, que foi duas vezes ministro, que pode dar todas as informações quando for intimado. É por causa do espetáculo? 
Os procuradores da "República de Curitiba" explicaram que a prisão, ordenada pelo juiz Moro, é baseada na Lista da Odebrecht, apreendida por uma operação da Lava Jato, realizada há alguns meses atrás, que comprovaria o "envolvimento do ex-ministro com a corrupção no país".
A famosa Lista da Odebrecht foi escondida do grande público pela grande mídia monopolista que tramou o golpe e defende o governo golpista. Num ato falho, a Record a publicou (vídeo abaixo). A lista ficou apenas 40 minutos no site da Polícia Federal. Imediatamente, o juiz Moro decretou "sigilo" e determinou sua retirada. 
Na Lista da Odebrecht são citados valores, datas e contas em nome de mais de 200 políticos, quase todos do PSDB, PMDB, DEM, PPS, e outros partidos golpistas. A lista revela uma espécie de "Fina-Flor dos Aliados Históricos da Corrupção": Eduardo Cunha, Aécio Neves, José Serra, Geraldo Alckmin, Aloysio Nunes, Antonio Imbassahy, Cássio Cunha Lima e José Agripino Maia.
Curiosamente, não estão registrados na Lista da Odebrecht os nomes do denunciado Lula e nem da deposta Dilma. Mas, na lista aparece o nome de Palocci, o que seria, na ótica seletiva, bastante para deflagar sua prisão com o fito de "varrer a corrupção no Brasil".
Acreditar numa asneira dessa é o mesmo que acreditar que o golpe de 1964 foi dado para acabar com a corrupção no Brasil.
É mais crível acreditar que na Lista da Odebrecht como a "Fina-Flor dos Aliados Históricos da Corrupção no Brasil" que se associaram para dar o golpe objetivando salvar a própria pele.
Ontem, no domingo, o ministro golpista da justiça - que antes era advogado do PCC em São Paulo - em cima de um palanque de um comício do candidato tucano a prefeito de Ribeirão Preto - cidade de Palocci - antecipou a operação que se realizou hoje.
A mentira do golpe de 1º de abril de 1964 de "limpar o Brasil do mar de lama da corrupção no governo Jango" se repete como farsa grotesca no golpe de abril de 2016! 

0 Comments:

Post a Comment

<< Home