Blog do Osmar Pires

Espaço de discussão sobre questões do (ou da falta do) desenvolvimento sustentável da sociedade brasileira e goiana, em particular. O foco é para abordagens embasadas no "triple bottom line" (economia, sociologia e ecologia), de maneira que se busque a multilateralidade dos aspectos envolvidos.

My Photo
Name:
Location: Goiânia, Goiás, Brazil

É doutor em Ciências Ambientais, mestre em Ecologia, bacharel em Direito, Biologia e Agronomia. É escritor, membro titular da cadeira 29 (patrono: Attílio Corrêa Lima)da Academia Goianiense de Letras (AGnL). É autor dos livros: A verdadeira história do Vaca Brava e outras não menos verídicas.Goiânia: Kelps/UCG,2008. 524 p.; Arborização Urbana & Qualidade de Vida. Goiânia: Kelps/UCG, 2007.312 p.; Perícia Ambiental e Assistência Técnica. 2. ed. Goiânia: Kelps/PUC-GO, 2010. 440 p.; Introdução aos Sistemas de Gestão Ambiental: teoria e prática. Goiânia: Kelps/UCG, 2005. 244 p.; Conversão de Multas Ambientais. Goiânia: Kelps, 2005, 150 p.; e, Uma cidade ecologicamente correta. goiânia: AB, 1996. 224 p. É coautor da obra: TOCHETTO, D. (Org.). Perícia Ambiental Criminal. 3. ed. Campinas, SP: Millennium, 2014. 520 p. Foi Secretário do Meio Ambiente de Goiânia (1993-96); Perito Ambiental do Ministério Público/GO (97-03); e, Presidente da Agência Goiana do Meio Ambiente (2003-06). Recebeu da Academia Goiana de Letras o troféu Goyazes Nelly A.de Almeida no gênero Ensaio em 2007 e da União Brasileira de Escritores/GO o troféu Tiokô de Ecologia.

Saturday, March 12, 2016

THE THREE STOOGES THE PROSECUTOR OF STATE OF SÃO PAULO - MP-SP

Osmar Pires Martins Junior -
Bachelor of Law, Biology and Agronomy,
Master in Ecology and PhD in Environmental Sciences

The prosecution of MP-SP against a former president and his family, as every legal piece is logically credible contestation, in the face of contradictory and wide right of defense.
Meanwhile, the application containing claims for condemnation of the "first family" (term used by prosecutors) is subject to criticism by the absence of basic technical and legal content.
So flawed, the work produced by the MP-SP members is available to corrections made by any person averagely informed about the rights of life in democratic society.
The charges against the "first family" are the money laundering by Property concealment (Article 1, caput 'of Law 12,683 / 12) and misrepresentation (art. 299 of the Criminal Code).
The MP-SP maintains that it would be false the statement given in the 2015/14 income tax, as the apartment has declared number that does not match the triplex, although the value of the quota share of R $ 179,000 is the same for both No. 141 and for the triplex.
But if this is the conduct of the accused does not fall into any alleged crime. In theory, it would be tax crime, the jurisdiction of the Federal Court, but the MP-SP filed the complaint in the State Court - TJ-SP.
Prosecutors wanted what they could: throwing gasoline on the embers and see the circus catch fire.
Only this explains a piece with the wrong rendition be accompanied by PREVENTIVE PRISON after the investigation was completed.
Unanimously of lawyers, including the PSDB, the part of the MP-SP members was considered absurdly unfounded.


NATIONAL SECURITY

A matter of public interest that puts safety and national peace at risk, should be treated with seriousness, competence, balance and common sense.
In addition to the piece purposeless, the MP-SP withholds the citizen the right of access to their content.
Intentional misinformation contributes to creating a climate of terror, insecurity, conflagration and persecution among Brazilians.
In the MP-SP site, all the nut cases published here:
NEWS
Thursday, March 10, 2016
Prosecutors offer complaint in the case Bancoop
Full Disclosure
As widely reported in the press the Prosecutors acting in investigative procedure purview of the Public Ministry of the State of São Paulo, offered complaint against sixteen people and, among them, former President Luiz Inácio Lula da Silva, being the Judgment Law of the 4th Criminal Court enjoyment.
Work is in charge of Prosecutors Cassio Roberto Conserino, José Carlos Blat, Fernando Henrique de Moraes Araujo and José Reynaldo G. Carneiro, assigned to the action.
Prosecutors conceded on Thursday (10/03) press conference.
Government Information Center
Public Ministry of the State of São Paulo - Rua Riachuelo, 115 - São Paulo (SP)
comunicacao@mpsp.mp.br | Tel: (11) 3119-9027 / 9028/9031/9032/9039/9040/9095 
JUDICIALIZATION POLICY AND JUSTICE PARTISANSHIP

The complaint against the "first family" is more a part of the media-judiciary coup in progress against immature Brazilian democracy.
Prosecutors MP-SP followed a script of unrest and political party propaganda opposition to the Labour government:
1°) illegal leak in the monopoly press, led by the Globe, on 3 March, the alleged tipoff of Delcídio Amaral senator, that would have involved former President Lula and President Dilma in the corruption scandal at Petrobras;
2°) forceful in former President Lula on March 4, which is set to true kidnapping him, his wife and son by order of the federal judge Sergio Moro, coordinator of Operation Lava Jet / Petrobras;
3°) intense impact on the national news, exposing and wearing the image, the name and the honor of the affected person, setting the mood for the presentation of the MP-SP complaint in São Paulo Forum on March 9 ;
4°) press conference of the promoters of (in) justice of the MP-SP on March 10;
5°) passed in Congress with virulent pronouncements of opposition to the Labour government, with intense media coverage of the monopoly on 11 and 12 March;
6°)crowning achievement in the demonstration by the impeachment of President Dilma Rousseff on March 13, 2016.

CORRUPTION WITHOUT CORRUPT

According to Articles 317 and 333 of the Brazilian Penal Code, corruption is the act of corrupting someone with the purpose of obtaining illegal advantages.
Therefore, the corrupt conduct typical behavior in an environment where they are related the corrupting agents and corrupt agents.
The Administrative Council for Economic Defense (Cade) investigated and asked the MP-SP accountability of the agents responsible for billionaire misuse of public resources for the procurement of the works of the Metro and Companhia Paulista Metropolitan Trains (CPTM), partly financed by transfers from the Union budget.
The deviation reaches ciphers billion reais diverted from public funds for the benefit of public and private actors, for more than twenty (20) years of governments of the same party that is opposed to the Labour government.
However, the scandal has no media coverage and no consequences for policy makers responsible in the judiciary.
Pressured by the investigation of a body of the Union, finally, in 2015, the MP-SP filed a civil action against eleven (11) companies accused of "promoting cartel to obtain contracts with the São Paulo Metropolitan Train Company (CPTM)."
The Court of Justice of São Paulo-SP -TJ accepted the complaint of MP-SP, but the action concerns only the period between 2002 and 2007 and does not address the complaints of overbillings and deviations in the Metro bids promoted by Mário Covas governments José Serra and Geraldo Alckmin.
To everyone's surprise, the defendants of action proposed by the MP-SP are private companies and state CPTM. The bill was charged by private corporations that create jobs and public legal entity held by the taxpayer.

BY WAY OF CONCLUSION

The mediatic-judicial prosecution in progress produces antijurídicas situations that qualify blows against immature Brazilian democracy.
The performance of the MP-SP is contradictory.
On the one hand, it is passive, silent, conniving or even complicit with illegal practices perpetrated by politicians in billionaire deviation subway trains and São Paulo.
On the other, the MP-SP is active, combative and ruthless against the "first family" of surviving person from the northeast of hunger and Brazilian labor leader.
The table narrated shows that, after decades of billionaires diversion of public money in the State of São Paulo, the MP-SP and TJ-SP invented corruption without corrupt: the political agents of the state leaders were not listed and, as opponents they are free to denounce corruption in the labor federal government.

___xxx___

OS TRÊS PATETAS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE SÃO PAULO – MP-SP
Osmar Pires Martins Júnior – 
Bacharel em Direito, Biologia e Agronomia, 
Mestre em Ecologia e Doutor em Ciências Ambientais

A acusação do MP-SP contra um ex-presidente da República e sua família, como toda peça jurídica, é logicamente crível de contestação, em face do contraditório e do amplo direito de defesa.
Entrementes, a petição inicial contendo os pedidos de condenação da “família presidencial” (termo usado pelos promotores de justiça) está sujeita à crítica pela ausência de conteúdo técnico-jurídico basilar.
De tão falho, o trabalho produzido pelos membros do MP-SP está ao alcance de correções realizadas por qualquer pessoa medianamente informada sobre os direitos da vida em sociedade democrática. 
As imputações contra a “família presidencial” são as de lavagem de dinheiro por ocultação do imóvel (artigo 1º, caput’ da Lei 12.683/12) e de falsidade ideológica (art. 299 do Código Penal). 
O MP-SP sustenta que seria falsa a declaração prestada no imposto de renda 2015/14, já que o apartamento declarado tem número que não confere com o tríplex, embora o valor da cota-parte de R$ 179 mil é o mesmo tanto para o nº 141 quanto para o tríplex. 
Ora, se esta é a conduta do acusado, não se enquadra em nenhum crime imputado. Em tese, seria crime tributário, da competência da Justiça Federal, mas o MP-SP ajuizou a denúncia no Tribunal de Justiça Estadual – TJ-SP.
Os promotores de justiça queriam o que conseguiram: jogar gasolina na brasa e ver o circo pegar fogo. 
Só isso explica uma peça com capitulação errada ser instruída com PRISÃO PREVENTIVA depois que a investigação foi concluída. 
Por unanimidade dos juristas, inclusive do PSDB, a peça dos membros do MP-SP foi considerada absurdamente improcedente.

SEGURANÇA NACIONAL

Um assunto de interesse público, que coloca a segurança e a paz nacional em risco, deveria ser tratado com seriedade, competência, equilíbrio e bom senso.
Além da peça despropositada, o MP-SP sonega do cidadão o direito de acesso ao seu conteúdo. 
A intencional desinformação contribui para criar um clima de terror, insegurança, conflagração e perseguição entre brasileiros. 
No site do MP-SP, tudo que os aloprados publicaram está aqui:
NOTÍCIA
Quinta-Feira , 10 de março de 2016
Promotores oferecem denúncia no caso Bancoop
Nota de esclarecimento
Conforme amplamente divulgado pela imprensa os Promotores de Justiça com atuação em procedimento investigatório de alçada do Ministério Público do Estado de São Paulo, ofereceram denúncia contra dezesseis pessoas e, dentre elas, o ex-Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, cabendo ao Juízo de Direito da 4ª Vara Criminal a apreciação.
Os trabalhos estão a cargo dos Promotores de Justiça Cassio Roberto Conserino, José Carlos Blat, Fernando Henrique de Moraes Araújo e José Reynaldo G. Carneiro, designados para a atuação.
Os Promotores concederam nesta quinta-feira (10/03) coletiva de imprensa.
Núcleo de Comunicação Social
Ministério Público do Estado de São Paulo - Rua Riachuelo, 115 – São Paulo (SP)
comunicacao@mpsp.mp.br | Tel: (11) 3119-9027 / 9028 / 9031 / 9032 / 9039 / 9040 / 9095 

JUDICIALIZAÇÃO DA POLÍTICA E PARTIDARIZAÇÃO DA JUSTIÇA

A denúncia contra a “família presidencial” é mais uma peça do golpismo midiático-judiciário em curso contra a imatura democracia brasileira.
Os promotores de justiça do MP-SP seguiram um roteiro de agitação e propaganda de partido político de oposição ao governo trabalhista: 
1°) vazamento ilegal na imprensa monopolista, liderada pela Globo, no dia 3 de março, da suposta delação do senador Delcídio Amaral, que teria envolvido ex-Presidente Lula e a Presidente Dilma no escândalo de corrupção na Petrobras;
2°) condução coercitiva no ex-presidente Lula no dia 4 de março, que se configurou como verdadeiro sequestro dele, sua esposa e filho, por ordem do juiz federal Sérgio Moro, coordenador da Operação Lava Jato/Petrobras;
3°) intensa repercussão no noticiário nacional, expondo e desgastando a imagem, o nome e a honra da pessoa atingida, preparando o clima para a apresentação da denúncia do MP-SP no Fórum de São Paulo dia 09 de março;
4°) entrevista coletiva dos promotores de (in)justiça do MP-SP  no dia 10 de março;
5°) repercussão no Congresso Nacional com virulentos pronunciamentos de oposicionistas ao governo trabalhista, com intensa cobertura da mídia monopolista nos dias 11 e 12 de março;
6°) coroando na realização da manifestação pelo impeachment da Presidente Dilma Rousseff no dia 13 de março de 2016. 

CORRUPÇÃO SÓ COM CORRUPTOR, SEM CORROMPIDO

De acordo com os artigos 317 e 333 do Código Penal Brasileiro, a corrupção é o ato de corromper alguém, com a finalidade de obter vantagens  ilícitas.
Portanto, os corruptos realizam as condutas típicas num ambiente onde estão relacionados os agentes corruptores e os agentes corrompidos.
O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) investigou e requereu ao MP-SP a responsabilização dos agentes responsáveis pelos desvio bilionário de recursos públicos destinados às licitações das obras do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), em parte, financiados por repasses do Orçamento da União.
O desvio alcança cifras de bilhões de reais desviados dos cofres públicos em beneficio de agentes públicos e privados, durante mais de vinte (20) anos de governos do mesmo partido que faz oposição ao governo trabalhista.
No entanto, o escândalo não tem repercussão na mídia e nem consequências para os agentes políticos responsáveis no Judiciário. 
Pressionado pela investigação de um órgão da União, finalmente, em 2015, o MP-SP ajuizou ação civil pública contra 11 (onze) empresas acusadas de “promover cartel para obtenção de contratos com a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM)”. 
O Tribunal de Justiça de São Paulo –TJ-SP aceitou a denúncia do MP-SP, mas a ação só diz respeito ao período entre 2002 e 2007 e não trata das denúncias de superfaturamentos e desvios nas licitações do Metrô, promovidas pelos governos Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin.
Para surpresa de todos, os réus da ação proposta pelo MP-SP são as empresas privadas e a estatal CPTM. A conta foi cobrada das pessoas jurídicas privadas que geram empregos e da pessoa jurídica pública mantida pelo imposto do contribuinte.

À GUISA DE CONCLUSÃO

A persecução midiático-judiciária em curso produz situações antijurídicas que as qualificam de golpes contra a imatura democracia brasileira.
A atuação do MP-SP é contraditória. 
Por um lado, é passivo, omisso, conivente ou até cúmplice com práticas ilícitas perpetradas por agentes políticos no desvio bilionário do Metrô e trens paulistas.
Por outro, o MP-SP é ativo, combativo e implacável contra a “família presidencial” de pessoa sobrevivente da fome do nordeste do país e líder trabalhista brasileiro.
O quadro narrado permite concluir que, depois de décadas de bilionários desvios de dinheiro público no Estado de São Paulo, o MP-SP e o TJ-SP inventaram a corrupção sem corrupto: os agentes políticos dirigentes do Estado não foram arrolados e, como opositores, estão livres para denunciar a corrupção no governo federal trabalhista.

0 Comments:

Post a Comment

<< Home