Blog do Osmar Pires

Espaço de discussão sobre questões do (ou da falta do) desenvolvimento sustentável da sociedade brasileira e goiana, em particular. O foco é para abordagens embasadas no "triple bottom line" (economia, sociologia e ecologia), de maneira que se busque a multilateralidade dos aspectos envolvidos.

My Photo
Name:
Location: Goiânia, Goiás, Brazil

É doutor em Ciências Ambientais, mestre em Ecologia, bacharel em Direito, Biologia e Agronomia. É escritor, membro titular da cadeira 29 (patrono: Attílio Corrêa Lima)da Academia Goianiense de Letras (AGnL). É autor dos livros: A verdadeira história do Vaca Brava e outras não menos verídicas.Goiânia: Kelps/UCG,2008. 524 p.; Arborização Urbana & Qualidade de Vida. Goiânia: Kelps/UCG, 2007.312 p.; Perícia Ambiental e Assistência Técnica. 2. ed. Goiânia: Kelps/PUC-GO, 2010. 440 p.; Introdução aos Sistemas de Gestão Ambiental: teoria e prática. Goiânia: Kelps/UCG, 2005. 244 p.; Conversão de Multas Ambientais. Goiânia: Kelps, 2005, 150 p.; e, Uma cidade ecologicamente correta. goiânia: AB, 1996. 224 p. É coautor da obra: TOCHETTO, D. (Org.). Perícia Ambiental Criminal. 3. ed. Campinas, SP: Millennium, 2014. 520 p. Foi Secretário do Meio Ambiente de Goiânia (1993-96); Perito Ambiental do Ministério Público/GO (97-03); e, Presidente da Agência Goiana do Meio Ambiente (2003-06). Recebeu da Academia Goiana de Letras o troféu Goyazes Nelly A.de Almeida no gênero Ensaio em 2007 e da União Brasileira de Escritores/GO o troféu Tiokô de Ecologia.

Sunday, April 08, 2012

"UMA MENTIRA REPETIDA MIL VEZES SE TORNA VERDADE"?

Osmar Pires  Martins Júnior

Joseph Göebbels desenvolveu a estratégia ideológica da propaganda nazista de Hitler, segundo a qual "uma mentira repetida mil vezes se tornaria verdade".

Tal é o caso da assertiva: "Valdomiro Diniz, assessor de José Dirceu, se reuniu em 2004 com o bicheiro Carlinhos Cacheira e recebeu deste propina para bancar o jogo ilícito no governo Lula".

No entanto, a realidade não é a acima descrita, de maneira que se poderia reescrever fatos, personagens e os assuntos relacionados de outra maneira.

A frase reescrita, então, seria outra: "Valdomiro Diniz, presidente da LOTERJ no governo demo-tucano de Garotinho, no Rio de Janeiro, se reuniu em 2002 com Carlinhos Cachoeira, então Gerente da GTech, responsável pelo setor de jogos da CEF durante o governo do tucano FHC, quando aquele recebeu propina do Chefe da Máfia dos jogos ilícitos".

A Operação Monte Carlo da Polícia Federal iluminou alguns aspectos nebulosos da questão, revelou bastidores e tramas então desconhecidas pela opinião pública.

Paladinos da moralidade e da ética desceram do pedestal e chafurdam na lama da corrupção. Tramas sórdidas envolvendo mafiosos, senadores, deputados federais e governadores vieram à luz do dia. Revistas e outros meios de comunicação que se pretendiam donos da verdade se viram desmascarados.

A ação da PF, desenvolvida com a devida autorização judicial, durante longos três anos de investigação, monitorou a máfia, gravou conversas e encontros. Contribuiu para esclarecer parcialmente aspectos nebulosos da história recente do país, como o "mensalão do PT", a "privataria tucana", dentre outros.

Inclusive, jogou luz sobre fatos, personagens e temas relativos àquela primeira afirmação feita no início deste texto. De acordo com as degravações dos áudios das conversas entre os membros da Máfia de Cachoeira, constantes do inquérito da PF e dos autos do MPF em julgamento no STF, divulgados à conta-gotas pela mídia nacional, a população ficou sabendo:
  • Que a reunião Valdomiro-Cachoeira foi gravada em 2002 pelo próprio bicheiro e divulgada em 2004. 
  • Que se tratou de uma vingança montada pelo bicheiro com seu sócio senador em face do ministro da Casa Civil ter vetado a nomeação do senador pefelista para o possível cargo de Secretário Nacional de Justiça. 
  • Que a revista VEJA publicou a "bombástica" denúncia do "mensalão do PT" graças aos laços que a máfia mantinha com outra espécie de "sócio da máfia", Policarpo Jr., editor da revista (flagrado em mais de 200 ligações com o bicheiro).
  • Que a denúncia citada no item anterior repercutiu no senado graças ao outro sócio, senador "mais sujo que pau de galinheiro", então líder do DEM, sob as ordens do seu chefe [da Máfia].
  • Que o senador foi orientado mais de uma vez pelo seu chefe [da Máfia] a se aproximar do governo federal, tudo no interesse dos negócios da Máfia.
  • Que o senador é sócio da Máfia, com participação de 30%, conforme gravações da PF divulgadas em CartaCapital.
  • Que o interesse era legalizar "o negócio" no governo Lula.
Resumo da ópera:
i) o bicheiro está preso;
ii) o senador foi "expulso" do DEM e se desmoralizou nacionalmente;
iii) o editor da VEJA tomou chá de sumiço e sua revista ficou muda;
iv) o "negócio" não só não foi legalizado como a Máfia foi desmantelada.

Apesar disso, a primeira assertiva ainda assim é repetida com a soberba da verdade, como ocorreu no último programa da "BoboNews" por Alexandre Ga-Gárcia, que reafirmou a tese de Göbbels, como bom discípulo que é!

A mistificação e o sofisma se esclarecem por si mesmo. Com base nas relações entre os personagens envolvidos, quais as afirmações abaixo são verdadeiras?
  • a) o então Ministro da Casa Civil do governo Lula, José Dirceu, estaria envolvido com o jogo do bicho, pois Carlinhos Cachoeira, chefe da máfia dos jogos ilegais, manteve reunião com Valdomiro Diniz, estabelecendo a relação: 
  • Cachoeira - Valdomiro Diniz - Dirceu, pois o elemento do meio é assessor deste último e se reuniu com o primeiro, atuou em nome deste último junto ao governo federal em prol dos interesses da máfia.
  • b) o governador do estado de Goiás  Marconi Perillo estaria envolvido com o jogo do bicho, pois Carlinhos Cachoeira mantinha permanente contato telefônico, via aparelho Nextel ("imune a grampos da PF colocado nas mãos dos cabeças da máfia") com Eliane Pinheiro, permitindo estabelecer a relação:
  • Cachoeira - Eliane Pinheiro - Marconi, pois o elemento do meio é Chefe de Gabinete deste último, atuando em nome daquele junto ao governo do estado de Goiás.
Ora, a primeira assertiva serve aos mais ardorosos acusadores demo-tucanos quanto ao "mensalão do PT"; e a segunda, aos mais ardorosos petistas quanto aos "privatas tucanos".

O jogo do contraditório, da ampla defesa, à luz do debate público, com uma imprensa livre e com ampla participação popular permitirá jogar luz nas trevas e expor as criaturas da sombra à luz do dia.

Certamente que a verdade não é absoluta. Não há possibilidade de que todas as criaturas da noite que forem expostas sejam do mesmo tipo sanguíneo, da mesma cor da pele ou dos olhos; ou do mesmo pretendido perfil ideológico.

Há aquelas criaturas que, em período diurno, se pretendem vestais, arautos, impolutos defensores da ética e da moralidade, mas que, no cair da noite, assumem outro papel, oposto, qual seja, de sócio do crime e da imoralidade. Estas criaturas serão, cedo ou tarde, desmascaradas, como foi o caso caso típico do senador Demóstenes Torres, então líder do DEM no Senado e intransigente denunciador dos atos e membros dos governos Lula e Dilma. 

Muitos desavisados, uma expressiva parte da iludida opinião pública, se surpreendeu com a revelação da criatura DEMoníaca. O autor destas linhas não perfila ao lado destes incautos, tendo se manifestado inúmeras vezes antes da 'bombástica revelação', por escrito, em livros e artigos publicados e em escritos na blogosfera sobre o papel do ilustre senador:
  • no livro "A verdadeira história do Vaca Brava e outras não menos verídicas" descrevo e analiso a negociata que levou à consolidação da grilagem de metade (entre as avenidas T-9 e T-10) da área do Parque Vaca Brava no St. Bueno, em Goiânia; o juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública Municipal da Comarca de Goiânia, com base em prova pericial criminal juntada à ação civil pública requerida em 1995, por  iniciativa da Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Goiânia, que demonstrou a fraude no mapa, proibiu a construção de qualquer obra particular em toda área do parque, mas os invasores milionários recorreram ao TJ-GO em relação a outra metade (entre a T-9 e T-10) que, em 1997, "acolheu em parte o recurso", eliminando o item que proibia o Município de conceder alvarás de construção nesta área; a Procuradoria de Justiça de Goiás, sob a responsabilidade do então Procurador-Geral de Justiça Demóstenes Torres do MP-GO não recorreu de ofício ao STJ, como é de praxe e obrigação, deixou "tudo como antes na casa de Abrantes" e as construções na outra metade do parque proliferaram - shoppings, supermercados, concessionárias, galerias, mansões etc -, tudo isso antes da campanha eleitoral que elegeu o senador-procurador de (in)justiça para seu primeiro mandato em 2002; e,
  • no artigo "E a Casa dos Idosos Desapareceu...", In: "A sociedade tutorada: reflexão sobre casos concretos do exercício abusivo de direito por agentes políticos tutoras da lei" (no prelo), o Adv. Arthur Rios denuncia a estranha ação da Promotoria Pública de Goiás (Curadoria das Fundações) juntamente com o então Procurador Jurídico do Estado  de Goiás para desfechar enorme golpe na associação dos velhinhos e arrancar das mãos envelhecidas pelo tempo o prédio e o lote da Casa dos Idosos (uma fortuna de oito milhões), tudo sob as bênçãos dos pares do senador-procurador de (in)justiça do MP-GO.
Os personagens a serem expostos em ações investigatórias sérias poderão também ser de outro perfil ideológico, diferente daquele que, sob a luz do luz, se apresentava ao público, e sim, assemelhado ao dos que pretendia combater!

1 Comments:

Anonymous Anonymous said...

Muito bom! Poderia ser melhor divulgado. A participação de Demóstenes na depauperação do Vaca mostra que a muito ele está envolvido com o enriquecimento ilícito, não só à custa do erário, como tmbém à custa dos espaços públicos e meio ambiente.
Congrats.

5:21 PM  

Post a Comment

<< Home